6 de jan de 2018

Atualização de dados necessária. Conta Netflix suspensa


[!!] Sua conta está suspensa.
Atualize seus dados de pagamento
Olá,
Há um problema com os dados de pagamento atuais. Tentaremos novamente, mas recomendamos que você atualize essas informações.
ATUALIZE SUA CONTA AGORA
Dúvidas? Estamos sempre prontos para ajudar. Visite o Centro de ajuda ou entre em contato.
Seus amigos da Netflix
 
                    &n= bsp;                     =                  

Atualização de dados necessária. Conta Netflix suspensa


[!!] Sua conta está suspensa.
Atualize seus dados de pagamento
Olá,
Há um problema com os dados de pagamento atuais. Tentaremos novamente, mas recomendamos que você atualize essas informações.
ATUALIZE SUA CONTA AGORA
Dúvidas? Estamos sempre prontos para ajudar. Visite o Centro de ajuda ou entre em contato.
Seus amigos da Netflix
 
                    &n= bsp;                     =                  

17 de abr de 2014

O amor não é para os fracos.


Amor é o que fica depois do desespero.
Amor é o que fica depois da vingança.
Amor é o que fica depois da solidão. 


Amor é o que fica depois das brigas.
Amor é o que fica depois da bebedeira.
Amor é o que fica depois da fofoca.


Amor é o que fica depois das dúvidas.
Amor é o que fica depois do orgulho.
Amor é o que fica depois dos gritos.


Amor é o que fica depois da raiva. 
Amor é o que fica depois dos erros.
Amor é o que fica depois da cobrança.
Amor é o que fica depois do cansaço.



Se o amor ficou depois de tudo, não finja que ele é nada.
Fabricio Carpinejar

E pra mim, o amor é você. Tá?

8 de mar de 2014

Existe movimento


Se perdem gestos, cartas de amor, malas, parentes
Se perdem vozes, cidades, países, amigos
Romances perdidos, objetos perdidos, histórias se perdem.
Se perde o que fomos e o que queríamos ser.
Se perde o momento. Mas não existe perda, existe movimento.
               Bruna Lombardi

9 de mai de 2013

Quero mais, não o tanto faz.



Entre a chama da mente e o que me chama à frente, resido em tal corpo impaciente. Se me abri essas portas, não me quero mais volta, não me sinto mais oco e dormente. Entre o plano e a corrente, o por vir e o que mente, escolho o pleno e belo presente. Quero mais, não o tanto faz, quero o que me satisfaz, o voraz e não o complacente.

Ah, que hoje enterro aqui, rindo do que vivi, tal receio tão tolo e covarde! Sou radar de morcego nesse breu de desprezos, nesse mar de injúrias e vaidades. Sou menino, não poeta, não me ocupam os medos, vivo apenas à minha vontade. Aprendi a duras quedas, quarenta, sem segredos, que essa dor… essa dor não me cabe.

Nessa história sem fim, meu coração diz que sim, danço a valsa que queima em meu peito. Não mais lírios aos anjos, não mais noites sem sono, sou bem mais que autor, sou sujeito.

Que venha a vida então, que sou amor e – vejam só – sou razão, hoje mais perigo que poesia. Quarentão sigo aos palcos, velho não, sofisticado, e grito ao mundo minha dança dos dias.

Nenê Altro, 13/09/2012