29 de ago de 2011

Fechou os olhos e pensou nele. Desde o princípio disse para si mesma que não iria apaixonar-se. Estava fatigada de buscas, metade de laranja alguma completaria metade de uma melancia. Mas aqueles olhos, a maneira como gesticulava, o sorriso torto sempre tímido… Tudo era convidativo, desde os defeitos às mais surreais qualidades. Absorta em devaneios, convivia com um eterno cabo de guerra, onde razão e emoção disputavam a vez. A emoção sempre tão devastadora e hipnotizante ganhava o duelo onde a razão, amiga íntima do raciocínio, virava poeira a ser varrida pelo vento. Agora pouco importava se a criatura de sorriso formidável não era tudo aquilo o que imaginava. Pensou consigo e aqui vamos nós outra vez. 
[ Via: tumblr desvencilhar ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual o sabor?